Início Educação Ação judicial ameaça volta às aulas presenciais em 2020, diz sindicato

Ação judicial ameaça volta às aulas presenciais em 2020, diz sindicato

84
0

Em comunicado às escolas privadas conveniadas, sindicato expôs preocupação com o emprego de auxiliares e professores devido à pandemia

Diante do cenário de incertezas e da judicialização do retorno das atividades presenciais na rede privada de ensino do Distrito Federal, o Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino (Sinepe) teme que a volta às aulas não ocorra mais em 2020.

Em comunicado encaminhado às escolas particulares brasilienses, a entidade ressalta que: “Pela decisão judicial vigente, que condicionou este retorno à sentença de mérito da Ação Civil Pública ajuizada pelo MPT, mediante a provocação do Sinproep, [o julgamento] poderá se prolongar para o final do ano de 2020”.

O Sinepe refere-se à decisão do desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10) Pedro Luís Vicentin Foltran, que suspendeu as atividades presenciais nas escolas particulares do Distrito Federal, em 6 de agosto. O magistrado condiciona o retorno à decisão de mérito, o que pode demorar devido aos prazos recursais previstos em trâmites judiciais.

Sem a possibilidade de retorno gradativo nem opção, o Sinepe prevê um cenário que chama de “desolador”.

“A PARTIR DA PROIBIÇÃO DO RETORNO DAS AULAS PRESENCIAIS E DO CENÁRIO DE INCERTEZA QUANTO A UMA DATA DE RETORNO, AS INFORMAÇÕES A RESPEITO DA EVASÃO ESCOLAR SE MULTIPLICARAM. COMO RESULTADO DA SOMA DESSES DOIS FATORES, AS CONSULTAS SOBRE A MELHOR FORMA E AS CONSEQUÊNCIAS DO FECHAMENTO DEFINITIVO DE ESCOLAS PASSARAM A SER CONSTANTES”, AFIRMA A ENTIDADE SINDICAL.

Sem previsão para as 570 escolas reabrirem, o Sinepe estima 3 mil demissões de docentes e auxiliares. Além de contabilizar a probabilidade de fechamento de 120 unidades privadas de ensino.

O comunicado orienta as instituições sobre como proceder em relação a demissões e redução de jornada. O documento está sendo elaborado em razão das dezenas de consultas diárias que são feitas e que foram intensificadas a partir da decisão judicial que proibiu a retorno das atividades presenciais nos estabelecimentos particulares de ensino.

Confira:

Situação de Emergência Sinepe

Retorno de 30%

O GDF suspendeu as aulas nas escolas públicas e particulares no dia 12 de março por causa da pandemia do novo coronavírus.

Quatro meses depois, o Executivo distrital autorizou o retorno das atividades presenciais nas unidades de ensino da rede privada a partir do dia 27 de julho. O MPT entrou na Justiça para barrar a volta às aulas e obteve decisão favorável do juiz Gustavo Carvalho Chehab, que impediu o retorno por 10 dias.

Em 4 de agosto, a juíza Adriana Zveiter, da 6ª Vara do Trabalho de Brasília, derrubou a liminar de Chehab e autorizou a reabertura imediata.

Uma parte dos alunos das escolas particulares voltou às aulas na semana passada, após a permissão da 6ª Vara do Trabalho de Brasília para a retomada das atividades presenciais. Poucas escolas, contudo, abriram as portas, temendo novo impedimento judicial ao funcionamento dos estabelecimentos de ensino.

O MPT recorreu dessa decisão de primeira instância e obteve liminar do desembargador na noite dessa quarta-feira (12/8). A nova medida judicial tem validade até que seja proferida sentença na ação civil pública que tramita na 6ª Vara.

timesbrasilia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui