Notícias Política

Bolsonaro diz que ‘há brecha’ para autorizar reajuste do salário mínimo

Compartilhe

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira, 14, que o governo deve autorizar um novo reajuste para o salário mínimo de 2020, para repor a inflação de 2019. O cálculo do governo que elevou o valor de 998 reais para 1.039 reais considerou uma estimativa mais baixa do que o índice registrado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), usado em ajustes de salário, fechou 2019 a 4,48%. Já o porcentual de correção dado pelo governo ao piso foi de 4,10%.

“Acho que tem brecha para a gente atender [o reajuste]. A inflação de dezembro foi atípica [com] pico por causa do preço da carne. A ideia é [repor] a inflação, o mínimo, né?! Agora, cada um real [de reajuste] aumenta mais ou menos 300 milhões de reais no orçamento. A barra é pesada. Apesar de ser pouco o aumento, 4 reais ou 5 reais, mas tem que recompor”, disse o presidente ao deixar o Palácio da Alvorada.

Nesta tarde, Bolsonaro vai se reunir com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para definir o novo valor e como a medida será encaminhada ao Congresso, que ainda precisa votar a Medida Provisória que definiu o primeiro valor do salário mínimo. Caso reponha a inflação e dê o resíduo salarial de 2018 (que foi considerado para o reajuste 4,1% dado anteriormente), o piso nacional deve subir de 1.039 reais para 1.045 reais.

No Twitter, Bolsonaro no entanto, ponderou um pouco mais sobre o reajuste dizendo que é “pouco para quem recebe, mas muito para quem paga”. Ao mesmo tempo, o presidente atacou a Venezuela dizendo que não se tem notícia de moradores de Roraima fugindo para o país vizinho por causa do reajuste do piso venezuelano, que subiu 66%, equivalente a 15 reais.

Por VEJA

Leia também: