Notícias Política

Bolsonaro diz que petróleo que atingiu praias do Nordeste não é do Brasil

Compartilhe:

 

© Carolina Antunes/Planalto O presidente Jair Bolsonaro disse que a origem do petróleo pode ser criminosa ou acidental

O presidente Jair Bolsonaro disse que o óleo que avança sobre as praias do Nordeste não é produzido nem comercializado no Brasil. A declaração foi feita após reunião com ministros e comandantes das Forças Armadas para discutir o assunto, na sede do Ministério da Defesa, nesta 2ª feira (7.out.2019).

Segundo Bolsonaro, as manchas de óleo estão sendo “analisadas” desde 2 de setembro. Ele afirmou que trata-se de uma investigação “bastante complexa”.

“É uma investigação bastante complexa, porque elas [as manchas] migram para o Norte e para o Sul da região da Paraíba e tem uma corrente da África pra cá. Pra cima, é a corrente das Guianas. E pra baixo, são as correntes do Brasil. O que está constatado é que existe 1 DNA desse petróleo, né? Ele não é produzido nem comercializado pelo Brasil”, disse o presidente.

As manchas de petróleo têm aparecido em praias nordestinas desde o início de setembro. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o óleo já atingiu 132 localidades, em 61 municípios de 9 Estados do Nordeste.

O Ibama está fazendo o monitoramento diário. Em todo o litoral nordestino, já foram recolhidas cerca de 100 toneladas do material desde o início da operação.

Bolsonaro disse “aproximadamente 140 navios fizeram o trajeto pela aquela região” e que o aparecimento das manchas pode ter sido resultado de algo criminoso, acidental ou até de 1 navio que tenha naufragado. Segundo o presidente, está “no radar” 1 país que pode ser o responsável pela origem do “petróleo”, no entanto, não quis dizer qual.

Participaram da reunião no Ministério da Defesa: os ministros Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Augusto Heleno (Segurança Institucional), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Ernesto Araújo (Relações Exteriores); e os comandantes Edson Leal Pujol (Exército) e Antonio Bermudez (Aeronáutica).

Reunião de Bolsonaro com os ministros

© Carolina Antunes/Planalto Reunião de Bolsonaro com os ministros

O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) e o comandante da Marinha, Ilques Barbosa, participaram da audiência por videoconferência. Salles está em Sergipe, para onde viajou para sobrevoar a região atingida pelo óleo. Ilques Barbosa está no Rio de Janeiro.

No sábado (5.out), Bolsonaro determinou a investigação das causas e dos responsáveis. As investigações são conduzidas pela Polícia Federal, Ministério da Defesa, Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).

O presidente havia fixado prazo de 48 horas, encerrado nesta 2ª (7.out), para a apresentação dos dados coletados e as providências adotadas até o momento.

Apesar de reconhecer que as manchas impactam no turismo na região Nordeste, Bolsonaro confirmou que o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio não participou da reunião nesta 2ª feira. Questionado se Álvaro Antônio seria afastado da função em razão das investigações sobre suposto episódio de candidaturas-laranja no PSL, Bolsonaro evitou responder e encerrou entrevista a jornalistas.

 

Sabrina Freire/Poder360

 

Leia também: