Notícias Saúde

Campanha Novembro Azul faz alerta sobre sinais que indicam câncer na próstata

Compartilhe:

De acordo com dados do Ministério da Saúde, 70% dos brasileiros só vão ao médico quando levados ou influenciados pela família. Para exames de rotina ou por conta própria, raramente. Além disso, o preconceito é outro grande problema que atrapalha o diagnóstico precoce para tratamento do câncer de próstata, o 2º que mais mata brasileiros.

O movimento Novembro Azul foi criado justamente para romper com esse histórico mundial de falta de cuidado do homem com a sua saúde. Estima-se que no Brasil, apenas em 2018, mais de 68 mil casos novos de câncer de próstata foram descobertos. Esse número assusta e exige muita atenção.

Exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos ajudam a detectar o surgimento da doença. Essa é, inclusive, a proposta das ações que acontecem durante a campanha Novembro Azul.

Além do acompanhamento médico e exames periódicos, dependendo do estágio do câncer, alguns sintomas exigem atenção:

  • Urina frequente e descontrolada

  • Dificuldade de urinar

  • Detecção de sangue na urina ou no sêmen

  • Disfunção erétil

  • Dores no quadril, coxas, ombros e demais ossos do corpo

  • Colesterol alto

  • Histórico familiar

  • Fraqueza ou dormência nas pernas ou pés

De acordo com levantamento, o câncer de próstata aparece com mais frequência a partir dos 50 anos. Logo no início, os sintomas não são perceptíveis, por isso é importante o acompanhamento médico anual.

E lembre-se, caso exista algum histórico de câncer familiar, o acompanhamento é sempre recomendado para evitar surpresas indesejadas.

Outro problema muito comum em homens nessa faixa etária é a disfunção erétil, a famosa impotência sexual. Por falta de um diagnóstico mais preciso e pelo preconceito, é muito comum a automedicação, o que pode causar dificuldades ainda maiores, já que esse é um sintoma que pode indicar a existência de câncer na próstata.

Se você ou seu parceiro perceber algum dos sinais acima, tem uma dúvida específica ou não frequenta um médico há muito tempo, considere aproveitar a campanha do Novembro Azul para fazer uma visitinha ao urologista.

Mayk Souza (

Leia também: