Política

Ciro Gomes afirma que PSB é ‘parceiro preferencial’ para sua candidatura

Compartilhe:

Por Douglas Fernandes


O pré-candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT) voltou a sinalizar uma possível aliança com o PSB nas eleições de outubro. Em sabatina realizada pelo UOL/SBT/Folha de S. Paulo nesta segunda-feira (21), o ex-governador do Ceará reafirmou que o seu projeto é conseguir uma aliança de centro-esquerda e que, após a saída do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa, as conversas com os socialistas foram retomadas.

“Voltamos a conversar com o nosso parceiro preferencial que é o PSB”, disse Ciro Gomes, que também sinalizou uma aliança em eventual segundo turno com o PCdoB, que lançou a deputada estadual Manuela D’Ávila para o Palácio do Planalto.

O ex-ministro dos governos de Itamar Franco (MDB) e de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que as negociações são conduzidas pelo presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, e que seguem uma hierarquia. No discurso de Ciro Gomes, alianças com partidos, como o PSB e o PCdoB, seriam prioridade. Entre os socialistas, o nome do ex-prefeito de Belo Horizonte Márcio Lacerda aparece como opção para ser vice de Ciro se concretizada uma aliança.

Depois do processo de composição com essas siglas, a quem identifica como integrantes do “socialismo democrático”, o presidenciável disse vai “conversar com que queira conversar conosco”. Entre os partidos que estão no radar das negociações, está o PP, que tem como filiado o presidente da CSN, Benjamin Steinbruch, e é cotado como vice na chapa encabeçada por Ciro.

Questionado sobre os nomes de de Lacerda, Steinbruch, além do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) e do empresário Josué Alencar (PR) para compor a sua chapa, Ciro Gomes disse que um deles já foi sondado por ele mesmo e por Carlos Lupi para a composição: Josué Alencar, filho do ex-vice-presidente José Alencar. Segundo Ciro, “ele está em busca de um homem ou mulher da produção baseado no Sudeste para simbolizar essa aliança de centro-esquerda”.

Leia também: