Cultura Notícias

Cultura, poesia e literatura se unem nas apresentações do Domingueira Sertaneja no Cais do Sertão

Compartilhe:

Neste domingo (11), o projeto Tengo Lengo Tengo promove mais uma edição da Domingueira Sertaneja, a partir das 15h, no Museu Cais do Sertão. Na festa, que coincide com a comemoração do Dia dos Pais, a animação fica por conta do Trio de Forró Cativante, com Ítalo Costa, e do Grupo Em Canto e Poesia, com Antônio Marinho, Greg Marinho e Miguel Marinho. A entrada é gratuita.

Vindo diretamente de São José do Egito, município do Sertão pernambucano conhecido como berço da cantoria de viola e dos poetas repentistas, o Grupo Em Canto e Poesia aporta no Recife trazendo uma apresentação que une música e literatura, tendo a matriz oral da cantoria como verve central, mas sem se prender a um só estilo. Na apresentação, o grupo passeia por várias formas de canto. E o repertório promete animar o público do Cais do Sertão com canções que compõem o álbum autoral da banda. Entre as músicas, “Canção do Tempo”, “Coco Moleque”, “Asas de um Poeta” e “Absorto”. Sucessos clássicos do Rei do Baião e de Jackson do Pandeiro também farão parte do show.
Formado em seu núcleo pelos irmãos Marinho, o grupo Em Canto e Poesia foi iniciado em 2005, quando as rimas de Antônio se uniram ao violão de Greg. Para completar, logo depois, o irmão caçula da família, Miguel, assumiu o pandeiro do Em Canto e Poesia. Crias de gerações de poetas, que passam a arte e o dom de pai para filho, os três são bisnetos de Antônio Marinho, poeta do século XIX, e netos de Lourival Batista, o Louro do Pajeú, uma figura mítica que fez história na região. Eles ainda são filhos da cantora e compositora Bia Marinho. Greg tem como pai o poeta e compositor Lamartine Passos, e Antônio e Miguel são filhos de Zeto de Pajeú. “Não há como negar que a poesia corre solta nas nossas veias”, diz o trio.

Em suas apresentações, o Em Canto e Poesia promove uma verdadeira reverência às suas origens sertanejas, em memória aos artistas da família, mas também a tantos outros representantes da poesia da região do Pajeú.

Quem promete também animar o público com um repertório construído ao longo do show, com a ajuda da plateia, mas cheio de clássicos nordestinos, é o Trio de Forró Cativante. Segundo Ítalo Costa, na apresentação do grupo não podem faltar sucessos de Luiz Gonzaga, o grande homenageado do projeto Tengo Lengo Tengo, e de outras estrelas como Dominguinhos, Trio Nordestino, Petrúcio Amorim, Maciel Melo e Flávio Leandro.

TENGO LENGO TENGO

O projeto Tengo Lengo Tengo homenageia os 30 anos da morte de Luiz Gonzaga e do Padre João Câncio, os criadores da Missa do Vaqueiro de Serrita, que acontece há 49 anos, sendo uma das mais importantes dos sertões.

Realizada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo e Lazer, Empetur e da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), a iniciativa englobou, além da exposição que segue em cartaz até 27 de agosto, o lançamento de uma biografia sobre o pároco e a celebração da Missa do Vaqueiro na capital pernambucana. A ação conta ainda com uma vasta programação paralela, com apresentações culturais e rodas de conversa. O Tengo Lengo Tengo conta ainda com o apoio da Janela Gestão de Projetos.

Serviço

Onde: Centro Cultural Cais do Sertão (Av. Alfredo Lisboa, s/n – Bairro do Recife)

Quando: Domingo, 11 de agosto

Horário: A partir das 15h

Entrada gratuita

Secretaroa de Turismo e Lazer de Pernambuco

Leia também: