Início Brasil Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU: Américas querem que agricultores sejam ouvidos

Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU: Américas querem que agricultores sejam ouvidos

0
Man and woman load boxes of ripe bell peppers into the back of a truck

Princípios que nortearam consenso foram: ciência deve ser insumo fundamental para formulação de políticas, agricultura é parte da solução para principais desafios da humanidade e não há sistemas alimentares sem os agricultores.

San José, 28 de julho de 2021 (IICA). Os países das Américas deram um passo fundamental para definir as mensagens convergentes que apresentarão ao resto do mundo na Cúpula dos Sistemas Alimentares de 2021, convocada pela ONU, após representantes de governos do hemisfério chegarem a um consenso para colocar a agricultura e os agricultores em primeiro plano, de forma a garantir a segurança alimentar e nutricional do planeta.

Entre 26 e 28 de julho, vai acontecer, em Roma, a pré-Cúpula dos Sistemas Alimentares, instância preparatória, que contará com participação do IICA, que faz parte da Rede dos Campeões da Cúpula – formada por um grupo de pessoas e organizações comprometidas com seus objetivos – como representante dos setores agrícola e rural da América do Norte, América Latina e Caribe.

Com base nas contribuições e sugestões dos representantes de seus 34 Estados membros, o Comitê Executivo do IICA – integrado por representantes de dez nações – definirá a versão final do documento que vai representar a região no fórum global, em sua reunião programada para 28 e 29 de junho.

A Cúpula de Sistemas Alimentares 2021 foi convocada pelo Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, com o objetivo de estabelecer compromissos e medidas globais que transformem os sistemas alimentares, de forma a orientar o mundo para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que visam para trazer paz e prosperidade à população mundial.

Consenso hemisférico. O consenso foi alcançado após uma intensa jornada de trabalho convocada pelo IICA, da qual participaram mais de 70 especialistas e funcionários de diversos países, e que serviu para concluir um ciclo de três Diálogos Virtuais de apoio à Cúpula.

Uma das coincidências foi que é fundamental que, durante o encontro global, se ouça a voz dos países das Américas, que além de cesta alimentar mundial, é fundamental para o meio ambiente devido à excepcional riqueza de seus ecossistemas. e sua biodiversidade.

Durante esse que foi o terceiro diálogo realizado, em preparação para a Cúpila, os representantes dos governos compartilharam as conclusões alcançadas em seus respectivos diálogos nacionais e trocaram opiniões sobre quais deveriam ser as prioridades nas propostas da região.

“A Cúpula nos dá uma oportunidade que os países das Américas nunca tiveram de desenvolver uma visão conjunta. E nesses diálogos descobrimos que temos diferenças, mas também ideias comuns. É importante oferecer uma contra-narrativa para aqueles que querem ditar o que devemos comer ”, disse Cathy McKinnell, Conselheira Sênior do Serviço de Agricultura Estrangeira do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Por sua vez, Fernando Zelner, Assessor Especial do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, destacou que “muito se avançou nesses diálogos e o conjunto de mensagens é muito forte e sólido. Conseguimos estabelecer pontos comuns mesmo sendo um hemisfério muito diverso: as mensagens refletem as posições tanto de grandes exportadores de alimentos, como Brasil e Argentina, quanto dos pequenos países insulares do Caribe. Temos atrás de nós o peso de um bilhão de pessoas que habitam as Américas ”.

Ariel Martínez, subsecretário de Coordenação Política do Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca da Argentina, considerou que “além da ênfase no cuidado do solo, que consideramos muito importante, devemos destacar a questão da água, que é justamente o que sustenta a saúde do solo. Ambos são fundamentais para a agricultura. ” O governante também felicitou o IICA e “os países irmãos pelo trabalho que realizaram na construção dessas mensagens, que não só são adequadas pelo seu conteúdo, mas também fazem com que a região chegue à Cúpula com grande força política”.

O IICA também organizou recentemente diversos debates e atividades preparatórias para a Cúpula, com diferentes atores das cadeias produtivas, que serviram para fortalecer o consenso sobre as ações necessárias para melhorar a sustentabilidade dos sistemas agroalimentares.

O Instituto desenvolveu três princípios gerais no caminho para a Cúpula: os produtores agrícolas devem estar devidamente representados; as decisões e políticas adotadas devem ser baseadas na ciência; e a agricultura é parte da solução dos principais desafios que a humanidade enfrenta.

Deles, foram elaboradas mensagens-chave que foram modificadas de acordo com as contribuições recebidas durante o exaustivo processo de discussão e foram agrupadas em quatro categorias: transformação dos sistemas agroalimentares; demanda do consumidor e aspectos nutricionais; estratégias de produção e questões ambientais e o papel das Américas.

A representação peruana destacou a mensagem de que “sem produção agrícola não há matérias-primas que se transformem em alimentos e, portanto, a segurança alimentar está em sério risco”. Carlos De los Ríos, Assessor do Ministério de Desenvolvimento Agrário e Irrigação, destacou que no Peru “a agricultura familiar é muito importante para a qualidade nutricional” e acrescentou que seu país “é caracterizado pela agro-diversidade”.

O papel do Estado para educar os consumidores sobre as qualidades, vantagens e desvantagens dos diferentes alimentos foi apontado como uma questão fundamental por Santiago Argüello, diretor-geral de Promoção da Agricultura da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural do México: “Etiquetar o produtos é a chave. O Estado deve ser proativo para que o consumidor possa tomar a melhor decisão ”.

Angélica Cedeño, chefe de Assuntos Jurídicos da Oficina de Tratados Comerciais Agropecuários (OTCA) da República Dominicana, destacou que em seu país foram realizados 12 diálogos com os setores público e privado “e em todos eles deu-se muita ênfase à segurança alimentar e à proteção do agricultor, principalmente com relação a desastres naturais ”. Ela destacou o enfoque na vulnerabilidade das nações caribenhas.

A necessidade de tornar visível o papel fundamental que o solo e a água desempenham na agricultura e na produção de alimentos foi enfatizada por Alejandro Pineda, da Diretoria de Água e Solo do Ministério da Agricultura da Nicarágua.

Mudanças Climáticas. “As mudanças climáticas criam um desafio para nós agora e no futuro. É bom falar sobre a resiliência dos sistemas alimentares e é importante focar na adaptação, uma vez que há muitas mudanças em termos de pragas, doenças e secas ”, alertou, por sua vez, Miriam Bueno, diretora técnica de Segurança Alimentar do Serviço Nacional de Sanidade e Inocuidade Agroalimentaria (SENASA) de Honduras.

Saúl Campos, do vice-ministro de Segurança Alimentar e Nutricional da Guatemala, destacou a necessidade de incluir “o conceito de gestão integral dos recursos naturais renováveis, principalmente a gestão de bacias hidrográficas e a educação da população de áreas sensíveis, para o fins de mitigar a degradação de solos e florestas ”.

Leia também…

“Não sabemos qual será o resultado final da Cúpula; Mas o que sabemos é que haverá uma contribuição de nossa região e colocaremos nossa perspectiva sobre a mesa ”, disse o diretor-geral Adjunto do IICA, Lloyd Day, celebrando o compromisso e a riqueza das contribuições dos governos das Américas durante a discussão das mensagens.

Ao finalizar o encontro, o diretor-geral do IICA, Manuel Otero, agradeceu o empenho dos participantes e reconheceu que deixaram de lado as particularidades de cada país ou região em prol do bem comum. “Condensamos o melhor de cada um para elaborar um documento, que não será do IICA, mas dos países ”. Para ele, o que está em jogo na Cúpula é a transformação dos sistemas agroalimentares mundiais e o futuro dos territórios rurais das Américas. “Somos chamados a ser fiadores da segurança alimentar mundial e da sustentabilidade ambiental do planeta. Nosso hemisfério é a chave para um desenvolvimento mais sustentável. Temos que nos orgulhar do caminho percorrido, sabendo, ao mesmo tempo, que há algumas transformações que precisam ser feitas ”.

“Devemos buscar propostas de solução – concluiu – para melhorar a segurança alimentar, a qualidade nutricional e a sustentabilidade de nossos sistemas agroalimentares, interpretando a voz da agricultura nas Américas”.

Sobre o IICA

É o organismo internacional especializado em agricultura do Sistema Interamericano. Sua missão é estimular, promover e apoiar os esforços de seus 34 Estados-membros para alcançar o desenvolvimento agrícola e o bem-estar rural, por meio da cooperação técnica internacional de excelência.

Por Claudia Dianni, coordenadora de comunicação do IICA Brasi

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui