Início Destaques Guerra continua: Reunião entre russos e ucranianos termina sem acordo para cessar-fogo

Guerra continua: Reunião entre russos e ucranianos termina sem acordo para cessar-fogo

0

A terceira reunião entre russos e ucranianos terminou, mais uma vez, sem acordo de cessar-fogo. Negociadores dos países, no entanto, concordaram em “organizar” melhor os “corredores verdes”, que são rotas de fuga humanitárias.

O porta-voz da delegação ucraniana, o conselheiro presidencial Mykhailo Podoliyak, afirmou que há uma “pequena e positiva” melhora.

“Continuamos com as consultas intensivas sobre o bloco político básico dos regulamentos, juntamente com um cessar-fogo e garantias de segurança”, disse.

O encontro ocorreu em Belarus, país aliado do presidente russo, Vladimir Putin. A conversa começou pouco depois do meio-dia desta segunda-feira (7/3), pelo horário de Brasília.

Tropas russas

Autoridades norte-americanas de segurança calculam que a Rússia mantém 150 mil soldados no território ucraniano. A invasão ao país começou em 24 de fevereiro.

Nesta segunda-feira, segundo informações da agência internacional de notícias Reuters, um integrante da cúpula da defesa dos Estados Unidos apresentou a estimativa, sob condição de anonimato.

Os militares, antes mesmo da invasão, estavam na fronteira do país. O presidente russo, Vladimir Putin, justificava a presença como “exercícios militares”.

“Essa é a nossa melhor estimativa no momento”, disse o funcionário.

O Pentágono, órgãos de defesa e segurança dos Estados Unidos, ordenou no fim de semana mais 500 soldados para a Europa. Ao todo, 100 mil estão no continente. Nenhum deles atuará em território ucraniano, que não faz parte da Otan.

Nesta segunda-feira, Vladimir Medinsky, negociador do governo russo, acusou o exército ucraniano de “sabotar” os “corredores verdes”, que são rotas de fuga onde não deveriam haver ataques. A fala foi feita enquanto representantes da Rússia e da Ucrânia tentam, pela terceira vez, negociar um acordo de cessar-fogo.

Entenda

Tropas russas invadiram o território ucraniano em 24 de fevereiro. A Rússia e a Ucrânia vivem um embate por causa da possível adesão ucraniana à Otan, entidade militar liderada pelos Estados Unidos.

Na prática, Moscou vê essa possível adesão como uma ameaça à sua segurança. Os laços entre Rússia, Belarus e Ucrânia existiam desde antes da criação da União Soviética (1922-1991).

O recrudescimento dos ataques, com mísseis, atentados contra usinas nucleares e bombardeios contra civis, fez a comunidade internacional impor sanções econômicas contra a Rússia.

Bancos do país comandado pelo presidente Vladimir Putin foram excluídos do sistema bancário global. Além disso, marcas e empresas suspenderam operações no país. O Banco Central e oligarcas russos, que são multimilionários, não podem realizar transações na Europa e nos Estados Unidos.

Além disso, a Rússia sofre pressão político-diplomática. Entidades como a União Europeia e a Organização das Nações Unidas (ONU) condenaram a invasão.

Por Metrópoles