Destaques Ouricuri

Jovem comete suicídio em Ouricuri neste domingo (11)

Compartilhe:

 


Por Maria Fernanda Vomero – Publicado em 31 dez 2002 – https://super.abril.com.br/comportamento/por-que-uma-pessoa-se-mata/


Por que uma pessoa se mata?

Entenda o que gera o comportamento e como este gesto extremo pode ser evitado

O desespero beira o insuportável. A cada dia, o sofrimento – físico ou emocional – fica mais intenso e viver torna-se um fardo pesado e angustiante. Sua dor parece incomunicável; por mais que você tente expressar a tristeza que sente, ninguém parece escutá-lo ou compreendê-lo. A vida perde o sentido. O mundo ao seu redor fica insosso. Você sonha com a possibilidade de fechar os olhos e acordar num mundo totalmente diferente, no qual suas necessidades sejam saciadas e você se sinta outro. Será que a morte é o passaporte para essa nova vida?

Atire a primeira pedra quem nunca pensou em morrer para escapar de uma sensação de dor ou de impotência extremas. Parece comum ao ser humano experimentar, pelo menos uma vez na vida, um momento de profundo desespero e de grande falta de esperança. Os adjetivos são mesmo esses: extremo, insuportável, profundo. Mas, aos poucos, os seus sentimentos e idéias se reorganizam. Suas experiências cotidianas passam a fazer sentido novamente e você consegue restabelecer a confiança em si mesmo. Você descobre uma saída, procura apoio, encontra compreensão. Aquele desejo autodestrutivo, aquela vontade de resolver todos os problemas num golpe só, se dilui. E você segue adiante. Muitos, no entanto, não conseguem encontrar uma alternativa. O suicídio, para esses, parece ser a última cartada, o xeque-mate contra o sofrimento, um gran finale para uma vida aparentemente sem sentido, para um presente pesado demais ou para um futuro por demais amedrontador. E eles se matam.

Imperscrutável, no limite, o suicídio não tem explicações objetivas. Agride, estarrece, silencia. Continua sendo tabu, motivo de vergonha ou de condenação, sinônimo de loucura, assunto proibido na conversa com filhos, pais, amigos e até mesmo com o terapeuta. Mas as estatísticas mostram que o suicídio precisa, sim, ser discutido. Trata-se, além de uma expressão inequívoca de sofrimento individual, de um sério problema de saúde pública. Segundo o mais recente relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 804 mil pessoas se mataram no ano 2012 em todo o mundo – uma taxa de 11,4 para cada 100 mil habitantes. Isso significa um suicídio a cada 40 segundos. A “violência autodirigida”, como o suicídio é classificado pela OMS, é hoje a 14ª causa de morte no mundo inteiro. E a terceira entre pessoas de 15 a 44 anos, de ambos os sexos. Não pode mais ser ignorada.


Na tarde desse domingo, 11 de novembro, por volta das 15 horas e 30 minutos, uma jovem cometeu suicídio em sua própria casa na Avenida Fernando Bezerra, no bairro Santa Maria, próximo ao Ponto de Apoio  em Ouricuri.
Segundo populares ela, identificada como JÉSSICA GABRIELE FREIRE, estava a alguns dias demonstrando está com depressão e neste domingo, teria cortado os próprios pulsos, indo a óbito. (informações ainda não oficiais).

Informações dão conta que Jéssica já havia tentado se matar há uns meses por envenenamento, passou vários dias na UTI do Hospital Regional de Ouricuri, não obtendo êxito, mas dessa vez foi fatal.

Leia também: