Início Notícias Justiça rejeita ‘quadrilhão do MDB’ e absolve Michel Temer e Eduardo Cunha

Justiça rejeita ‘quadrilhão do MDB’ e absolve Michel Temer e Eduardo Cunha

26
0
Ex-presidente Michel Temer e o ex-deputado Eduardo Cunha (Foto Fabio Rodrigues PozzebomAgência Brasil)


A Justiça Federal no Distrito Federal absolveu o ex-presidente Michel Temer, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, o empresário José Yunes e outros oito acusados de integrar o chamado “quadrilhão do MDB”.

A denúncia, do Ministério Público Federal, acusava-os de integrar uma organização criminosa que arrecadava propina por meio de órgãos públicos, como Petrobras e Caixa Econômica Federal, além da Câmara e ministérios.

Em sua decisão, o juiz Marcus Vinicius Reis Bastos afirma que a narrativa apresentada pelo MPF não permite concluir a existência de uma associação com divisão de tarefas, hierarquia e estabilidade – como seria próprio de uma organização criminosa.

“A denúncia apresentada, em verdade, traduz tentativa de criminalizar a atividade política. Adota determinada suposição – a da existência de ‘organização criminosa’ que perdurou entre ‘meados de 2006 até os dias atuais’ – apresentando-a como sendo a ‘verdade dos fatos’, sequer se dando ao trabalho de apontar os elementos essenciais à caracterização do crime de organização criminosa”, afirma.

O juiz disse que “a imputação a dirigentes de partidos políticos do delito de organização criminosa sem os elementos do tipo objetivo e subjetivo, provoca efeitos nocivos à democracia, entre os quais pode se mencionar a grave crise de credibilidade e de legitimação do poder político como um todo”.

Também foram absolvidos os ex-deputados Henrique Eduardo Alves e Rodrigo Rocha Loures, os ex-ministros Eliseu Padilha e Wellington Moreira Franco, o coronel João Baptista Lima Filho, o ex-doleiro Lúcio Funaro e os supostos operadores de propinas Altair Alves Pinto e Sidney Norberto Szabo.

A acusação foi elaborada pelo então procurador-geral Rodrigo Janot em 2017, quando Temer era presidente. Na época, porém, a Câmara rejeitou dar continuidade à tramitação do caso. Com o fim do mandato, em 1º de janeiro de 2019, Temer ficou sem foro especial, e a denúncia foi enviada à primeira instância no DF.

Em março deste ano, o mesmo magistrado já havia absolvido Temer no processo em que era acusado de receber vantagens em troca de beneficiar empresas no Porto de Santos.

Temer chegou a ficar preso preventivamente em duas ocasiões, em 2019, em decorrência de operação no Rio de Janeiro sobre supostos desvios na estatal Eletronuclear.

Por Folhapress

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui