Brasil

Lama da Vale suja o Velho Chico, destaca Jornal Estado de Minas

Compartilhe:

O temor de hidrologistas, ambientalistas e de quem depende das águas do Velho Chico se confirmou. É o que indica o relatório divulgado no Dia Mundial da Água, pela Fundação SOS Mata Atlântica. De acordo com os dados levantados pelos técnicos da Fundação, a lama da Vale que causou morte e destruição em Brumadinho em 25 de janeiro já chegou à Bacia do Rio São Francisco.

Os rejeitos de minério que vazaram com o rompimento da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande BH, contaminaram o rio São Francisco. A afirmação foi feita pela Fundação SOS Mata Atlântica que, nesta sexta-feira (22), data em que se celebra o Dia Mundial da Água, divulgou o relatório “O retrato da qualidade da água nas bacias da Mata Atlântica”.

O resultado do estudo, que aponta índices de turbidez e alguns metais acima do permitido por lei, foi contestado porém pela Agência Nacional das Águas (ANA), pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e pelo Serviço Geológico do Brasil. Os órgãos oficiais dizem que o Velho Chico já estava contaminado antes mesmo do desastre ocorrido na cidade mineira.

A Vale também garantiu que a pluma de lama está contida no reservatório da Usina Hidrelétrica Retiro Abaixo, “e não acessou o rio São Francisco”.

Relatório

Segundo a SOS Mata Atlântica, dos 12 pontos analisados do rio, nove estão em condições ruins e somente três estão regulares. A contaminação acontece, de acordo com a fundação, do Reservatório de Retiro Baixo, entre os municípios de Felixlândia e Pompéu, até o Reservatório de Três Marias, no Alto São Francisco. O laudo revela que a água está imprópria para consumo da população.

Nos pontos contaminados foram constatados turbidez acima dos limites aceitáveis pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Em alguns trechos, o indicador está seis vezes além do permitido. Além disso, as concentrações de ferro, manganês, cromo e cobre também estavam acima dos limites máximos permitidos na legislação. A coleta da água foi feita entre os dias 8 e 14 de março.

Os dados mostram, ainda, que a situação poderia ser pior. O estudo comprova que o Reservatório de Retiro Baixo está segurando o maior volume dos rejeitos de minério que estão sendo carregados pelo Paraopeba. “Apesar das medidas tomadas no sentido de evitar que os rejeitos atinjam o rio São Francisco, os contaminantes mais finos estão ultrapassando o reservatório e descendo o rio e já são percebidos nas análises em padrões elevados”, destacou a fundação.

Manifestações

A ANA informou que, desde o dia 25 de janeiro, quando ocorreu o desastre em Brumadinho, faz o monitoramento da qualidade da água do Velho Chico. As análises, que acontecem em conjunto com o Igam e o Serviço Geológico do Brasil, não confirmam que os rejeitos da barragem já tenham passado da Usina de Retiro Baixo, antes da Usina de Três Marias e, portanto, antes do Rio São Francisco.

“Análise da qualidade da água do rio Paraopeba feita antes do evento da ruptura da barragem de Brumadinho já apontava níveis de contaminação, por ferro e alumínio, que mascaram a passagem da lama. Por exemplo, o rio Ribeirão das Almas, imediatamente a jusante de Retiro Baixo, lança muitos sedimentos no Paraopeba, o que pode confundir análises feitas sem contemplar as séries anteriores de dados”, explicou o órgão.

A Vale também ressaltou que os rejeitos da Mina Córrego do Feijão não chegaram até o Velho Chico. “Esta afirmação está fundamentada na análise integrada do comportamento dos resultados de turbidez (até 20/03/2019) e metais (até 16/03/2019) que estão associados ao deslocamento da pluma”, explicou a mineradora.

SOS Mata Atlântica diz que São Francisco foi contaminado por lama da Vale; órgãos oficiais negam
A empresa ainda destacou que, diariamente, monitora 65 pontos nas áreas afetadas pelo desastre, “em pontos a jusante no rio Paraopeba, principais tributários, reservatórios de Retiro Baixo e de Três Marias, rio São Francisco e em pontos a montante não afetados.”

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Semad) também foi procurada pela reportagem, e reforçou o posicionamento do Igam, afirmando que “não se observam alterações na qualidade das águas na estação de amostragem localizada a jusante da Usina Hidrelétrica Retiro Baixo que indiquem a chegada da pluma de rejeitos neste trecho”.

Triste realidade

Não é só o rio São Francisco que está padecendo. No país, dos 278 pontos de coleta de água monitorados, em 49 (17.6%) a qualidade é ruim, e em 4 pontos (1,4%), péssima. Conforme o estudo, somente 18 pontos (6,5%) apresentam qualidade boa da água e nenhum dos rios e corpos d’água tem qualidade ótima.

“Os rios brasileiros estão por um triz. Seja por agressões geradas por grandes desastres ou por conta dos maus usos da água no dia a dia, decorrentes da falta de saneamento, da ocupação desordenada do solo nas cidades, por falta de florestas e matas ciliares que protegem os rios e nascentes e por uso indiscriminado de fertilizantes químicos e agrotóxicos. Nossos rios estão sendo condenados pela falta de boa governança“, afirma Malu Ribeiro, assessora da Fundação SOS Mata Atlântica, especialista em água.

Por Renata Evangelista – Jornal Hoje em Dia – MG

Leia também: