Destaques Notícias

O futuro da bovinocultura do Araripe com a chegada da Transnordestina

Compartilhe:

Bons tempos para o Araripe, sobretudo para o agronegócio. Empregos à vista.

Compartilhe:

Com o término da Transnordestina no trecho Araripina (PE) – Eliseu Martins (PI), já bem mais adiantado que outros trechos, a bovinocultura da região vai expandir-se rapidamente por poder contar com farelo de soja a baixo custo, proveniente do Sul do Piauí, com possibilidade de reabertura da ICOASA, que uma vez reaberta, esmagará 500 toneladas de soja/dia, garantindo farelo para alimentar o rebanho bovino e para a abertura de um colossal parque avícola capaz de abastecer todo o Nordeste com frango e ovo.

Bons tempos para o Araripe, sobretudo para o agronegócio. Empregos à vista. É esse o tema que deve nortear os debates e as ações da classe política. Lutar pela conclusão rápida do trecho Araripina – Eliseu Martins e pelas Estadas da Integração (PE 615 e PE 630), para o surgimento de uma nova fronteira agrícola no coração do Nordeste, impulsionando Nascente, Socorro, Santa Filomena, Vidéu, Barra de São Pedro, Bodocó, Granito, Exu, Ipubi e todos os municípios circunvizinhos do Pernambuco, Ceará e Piauí.

Somente a reabertura da ICOASA, em ocorrendo com o advento da transnordestina, poderá movimentar 200 milhões de Reais ano com o item soja, produzindo óleo comestível e biodísel, além do farelo. Também seremos entreposto para o milho vindo do Sul do Piauí.Enquanto os políticos da capital pensam apenas em levar a Transnordestina para SUAPE, numa queda de braço com o Ceará, esquecem que ficando pronto o trecho de Araripina ao Sul do Piauí, está viabilizada sua mais afastada região, que se transformará em entreposto de todos os produtos e insumos, ficando própria para abastecer todo Nordeste e parte do Norte, por ser aqui o coração do Nordeste.

A miopia de nossos líderes para nossas causas locais atinge grau 10 e nos envergonha e entristece. Parabéns aos governantes do Ceará, que desenvolveram o Cariri e para suas cidades atraem nossa população pernambucana e piauiense, necessitada de produtos e serviços. Não é lamento. É reação.

Tem nada não. Nós daqui já somos acostumados a nos erguer puxando nossos próprios cabelos. Venceremos!!!! (Por Ronaldo Lacerda/via blog do Roberto Gonçalves)

Leia também: