Início Brasil Operação policial em comunidade do Rio deixa 11 mortos, afirma PM

Operação policial em comunidade do Rio deixa 11 mortos, afirma PM

0
Policiais levam feridos para o Hospital Getúlio Vargas — Foto: Reprodução/TV Globo

Pelo menos 11 pessoas morreram durante um confronto na Vila Cruzeiro, na Penha, na Zona Norte do Rio, na madrugada desta terça-feira (24).

A Polícia Militar afirma que 10 dos mortos eram criminosos. Uma moradora também morreu, vítima de bala perdida.

Ela foi identificada como Gabriele Ferreira da Cunha, de 41 anos, foi atingida e morta com um tiro na entrada da Chatuba, que fica ao lado da Vila Cruzeiro.

Outras duas pessoas ficaram feridas e foram levadas para o Hospital Getúlio Vargas, também na Penha.

Moradores relataram que começaram a ouvir tiros às 4h.

Segundo a PM, agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope), da Polícia Federal (PF) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) foram atacados a tiros quando iniciavam uma “operação emergencial” na comunidade.

O objetivo era prender chefes do Comando Vermelho escondidos na Vila Cruzeiro. A polícia afirma que lideranças da facção em outras favelas do Rio — como Jacarezinho, Mangueira, Providência e Salgueiro (São Gonçalo) — e até de estados do Norte e do Nordeste também estão abrigados na Penha.

Um helicóptero blindado da PM dava apoio aos agentes em terra. Os confrontos se concentravam na parte alta da Vila Cruzeiro, perto de uma área de mata.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a moradora estava na Rua Dionísio, na Chatuba, na parte baixa do complexo, quando foi atingida.

A Secretaria Municipal de Educação informou que, por causa da operação policial, 11 escolas da região estão fechadas, e que prestaria atendimento de forma remota.


Polícia apreende fuzis na Vila Cruzeiro — Foto: Reprodução

Policiais apreenderam onze fuzis, quatro pistolas e uma granada.

Tiros logo cedo

Os tiros começaram a ser ouvidos por volta das 4h.

“Quatro horas da manhã começou operação aqui na Vila Cruzeiro. Muito tiro, mas muito tiro mesmo. Os policiais do Bope entraram aqui com vários carros. E a bala tá comendo”, afirmou um morador.

O tenente-coronel Ivan Blaz, porta-voz da PM, disse que os confrontos continuam e o objetivo é localizar criminosos de outros estados que se escondem na Vila Cruzeiro.

“Nesse momento ainda temos confrontos na área de mata. Na área construída estamos fazendo uma varredura com policiais do Bope e da Polícia Rodoviária Federal”.

“O objetivo ainda está mantido de buscar criminosos de outros estados que estão buscando abrigo aqui com essa facção criminosa, que opera na Vila Cruzeiro, no Jacarezinho, na Mangueira, na Providência e no Chapadão. Eles estão hospedando criminosos de outros lugares, entre eles, criminosos do Pará, que determinaram a morte de mais de 13 agentes públicos somente este ano”.

Segundo Blaz, o Comando Vermelho, facção criminosa da Vila Cruzeiro, é responsável pela maior parte dos confrontos no RJ.

“Precisamos desbaratar essa quadrilha que já é hoje responsável por mais de 80% dos confrontos armados do Rio de Janeiro. Essa facção criminosa que opera ali na região da Vila Cruzeiro atua numa campanha expansionista em todo o nosso estado”.

O tenente-coronel disse ainda que a morte da moradora da Chatuba é uma “realidade trágica”.

“Estamos falando de um confronto armado em que se usam armas de guerra, munições de alta velocidade, que cruzam longas distâncias. Segundo informações, ela teria sido atingida logo no início da operação quando criminosos estavam atacando os policiais. O sentido do tiro aponta para esse lado, a perícia já foi feita, já temos o corpo removido. Logicamente, esse resultado logo no início da operação já nos desestimula. Ele já é um fato lamentável, muito lamentável, uma família impactada por um resultado desse, da violência”.

Por Natália Oliveira, Bom Dia Rio