Início Brasil Paralisação: 59% dos caminhoneiros apoiam ação da categoria, diz pesquisa

Paralisação: 59% dos caminhoneiros apoiam ação da categoria, diz pesquisa

0

Pesquisa mostra que as paralisações de caminhoneiros previstas para 1º de novembro tem o apoio de 59% dos trabalhadores da categoria. A intenção de participação do movimento fica um pouco abaixo: 54%. O levantamento foi feito pela empresa FreteBras. Foram ouvidos 2.023 caminhoneiros de sua base de dados, por meio de questionamento online, em 21 de outubro. Os respondentes são de 25 Estados e do Distrito Federal e puderam responder de forma anônima. Na comparação com uma pesquisa similar realizada em 8 de setembro, o apoio ao movimento era maior: 63%. Mas a intenção de participar era menor, de apenas 43%..

Em Minas Gerais, que teve uma paralisação de empresas transportadoras de combustíveis na semana passada, 61% apoiam o movimento. A intenção de participar chega a 53%. No Rio de Janeiro, que também teve movimentação de tanqueiros, tem 55% de apoio e 48% têm intenção de adesão. Na intenção de participar também chama a atenção Maranhão, em que apenas 25% dizem que irão aderir ao movimento. No Mato Grosso do Sul, o apoio chega a apenas 35%. Goiás foi o 3º pior em engajamento, com apenas 44% de apoio.

O levantamento da FreteBras tenta prever a adesão aos movimentos de 1º de novembro. A greve marcada pela Abrava (Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores) reivindica que o preço dos combustíveis diminuam. A questão do frete também é uma das pautas dos caminhoneiros autônomos. redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia são proibidas.

Na 2ª feira (23.out.2021), a Petrobras anunciou um novo aumento dos valores do diesel em 8,8% nas refinarias. A notícia caiu como uma bomba entre os caminhoneiros autônomos. Líderes da categoria afirmam que os aumentos fortalecem o movimento de paralisação.

O governo chegou a sinalizar uma conversa com lideranças dos caminhoneiros para tratar os motivos da greve, que aconteceria na 4ª feira (28.out.2021), mas foi desmarcada. A expectativa é de que a falta de diálogo e o aumento no preço dos combustíveis aumente o número de apoiadores ao movimento.

Até 23 de outubro, segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o preço médio do diesel chegou a R$4,97 por litro. A gasolina foi a R$ 6,35, o etanol a R$ 4,87 e o gás de cozinha, R$ 101,96.

Poder 360