Notícias Política

‘Se autonomia do BC passar, é o caso de ir para a rua e quebrar tudo’, diz Ciro

O pedetista se exaltou quando questionado a respeito do projeto de lei sobre o assunto

Candidato derrotado à Presidência da República em 2018, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) criticou nesta quinta (11) a proposta do governo Jair Bolsonaro de dar autonomia ao Banco Central. “Isso acontecendo, é daqueles casos de ir para a rua e quebrar tudo. Afirmo com toda serenidade”, declarou.

O pedetista se exaltou quando questionado a respeito do projeto de lei sobre o assunto, que será enviado ao Congresso pelo Palácio do Planalto, conforme anunciou Bolsonaro em evento sobre seus primeiros 100 dias de gestão.

Ele disse que o Brasil é o país do mundo capitalista que “tem menos bancos do planeta Terra”, e afirmou que, ao entregar o BC ao predomínio do sistema financeiro com o atual nível de concentração bancária, o governo está destruindo a nação brasileira com qualquer condição de autonomia.

“Isso é a violenta e definitiva formalização de entrega do destino da nação brasileira a três bancos. Eu não conheço o projeto, vou lê-lo, mas conheço a intenção.”

O ex-ministro discursou nesta quinta na sede nacional do PDT, em Brasília, e alegou em algumas ocasiões não querer ser injusto com o governo do rival político neste início. Mas criticou o que chamou de “postura criminosa” em temas como a administração em política externa.

A avaliação de Ciro sobre os cem primeiros dias de Bolsonaro no Planalto é que o governo do presidente é “muito ruim”, mas que um processo de afastamento capitaneado pelo Congresso não é o remédio adequado, e sim pressão popular.

“Remédio para governo ruim, e eu considero o governo de Bolsonaro mais do que ruim, não é impeachment. Remédio para governo ruim é pressão. É o que eu estou tentando fazer. Respeitar o voto popular e aprender a votar.”

Questionado sobre se já haveria condições para um pedido formal de impeachment do presidente, como sustentado pelo jurista Miguel Reale Junior, Ciro descartou a possibilidade.

“O jurista Miguel Reale Junior, que foi instrumento do golpe contra a [ex-presidente] Dilma [Rousseff], agora tenta instrumentalizar um golpe contra o Bolsonaro”, afirmou.
Ciro participou do lançamento do chamado Observatório Trabalhista, uma plataforma que busca monitorar uma série de indicadores econômicos e sociais do governo. O principal foco de críticas do ex-ministro foi a política externa do presidente, chamada de vergonhosa e entreguista em várias ocasiões.

“O erro mais grave é o posicionamento, o alinhamento estúpido do Brasil com interesses estrangeiros.

Isso tem prejudicado pesadamente não só o futuro do país, como é o caso da entrega da Embraer, da base de Alcântara aos americanos e do alinhamento numa possível escaramuça bélica na Venezuela, que é uma aberração, mas mexe com o presente do país”, criticou, citando a queda de exportações brasileiras de produtos agrícolas para a China e de produtos de proteína animal para o mundo árabe.

Ciro comentou ainda o projeto de lei de educação domiciliar, defendido pela ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) e assinado também nesta quinta por Bolsonaro.

“É uma aberração muito coerente com esse esforço medieval que infelizmente está predominando em áreas críticas do Brasil, especialmente na educação. Por exemplo, se os filhos do [ministro da Justiça Sergio] Moro forem aprender português com ele em casa, é preciso chamar o conselho tutelar.”

Para Ciro, o único acerto do governo até o momento foi a decisão de transferir os líderes de facções criminosas de São Paulo e Fortaleza a presídios federais.

Por: Danielle Brant/ Folhapress

Leia também: