Brasil

Temer fica em silêncio em depoimento na Superintendência da PF no Rio

O  ex-presidente Michel Temer não prestou depoimento nesta sexta-feira. O emedebista nem chegou a ficar diante dos procuradores porque sua defesa informou antes que Temer ficaria em silêncio. José Baptista Lima, conhecido como Coronel Lima e apontado como operador do ex-presidente, também ficou em silêncio. O pedido de habeas corpus de Temer, Lima e do ex-ministro Moreira Franco será julgado na próxima semana pelos desembargadores da primeira turma especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

— O ex-presidente Michel Temer se reservou ao direito de não falar — afirmou a procuradora Fabiana Schneider, integrante da força-tarefa da Lava-Jato no Rio, uma das que foi à Superintendência da PF para ouvir os presos.

O único a falar até o momento foi o ex-ministro Moreira Franco. Ele disse que ouviu de Temer que Coronel Lima era pessoa que ficava à frente da empresa Argeplan. Embora não tivesse expertise e nem pessoal, a empresa foi uma das contratadas para a obra de Angra 3.

— Ouvimos Moreira Franco, que foi o único que até o momento se prontificou a prestar esclarecimentos. Todos os demais presos se reservaram ao direito de manter-se em silêncio — disse Fabiana. — Moreira Franco respondeu as nossas perguntas. Deu as suas versões dos fatos. Negou o pedido e o recebimento de propina e prestou alguns esclarecimentos. Um fato que ele reconheceu é que, de fato, Michel Temer disse a ele que Lima cuidava da Argeplan, era a pessoa que estava à frente da Argeplan.

A procuradora informou ainda que na próxima semana Temer deve ser denunciado por lavagem de dinheiro, corrupção e peculato.

Em prisão preventiva desde a manhã de ontem, Temer passou a noite em uma sala de 20 metros quadrados no terceiro andar da Superintendência da Polícia Federal (STF), com cama de solteiro, ar-condicionado e frigobar. Uma TV também deve ser instalada no local.

O ex-presidente foi detido no meio da rua, no Alto de Pinheiros, Zona Oeste, próximo à sua casa. Os policiais federais interceptaram o carro em que ele estava. Após anunciarem a prisão, um agente assumiu o volante e conduziu o veículo até o Aeroporto de Guarulhos.

A defesa de Temer entrou com o pedido de liberdade na tarde desta quinta-feira, após o emedebista ser preso por policiais federais nesta ma. O recurso foi protocolado às 16h11 e distribuído para Ivan Athié, que é o relator da Operação Prypiat, uma das que originou a operação desta quinta-feira. Nesta sexta-feira, Athié decidiu enviar para a primeira turma especializada do TRF-2 a análise do pedido . E marcou o julgamento para a próxima quarta-feira, dia 27

Denominada Descontaminação, a ação é um desdobramento da Operação Radioatividade, que investiga desvios nas obras da Usina de Angra 3 e tem como base a delação do empresário José Antunes Sobrinho, dono da Engevix, que menciona pagamentos de R$ 1 milhão em 2014.

Por O Globo

Leia também: