Política

Data de votação da reforma da Previdência depende de articulação com bancadas, diz Imbassahy

Compartilhe

 

 

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, disse neste domingo (07), que ainda não está definida a data de votação da reforma da Previdência no plenário da Câmara dos Deputados. Ele evitou reconhecer abertamente que o governo não tem hoje os 308 votos necessários para aprovar a proposta no plenário, mas admitiu que a definição da data de votação vai depender da articulação do governo com as bancadas da base aliada.

“Nossa expectativa é que (o texto) seja aprovado à medida que haja conhecimento amplo, articulação com as bancadas, os partidos. Na hora em que a gente fizer avaliação que já está em condição de ser levado para plenário, acontecerá a votação. A gente só não pode precisar quando será essa data porque é uma data que depende de uma avaliação permanente, constante com os parlamentares”, disse Imbassahy neste domingo, após reunião com o presidente Michel Temer no Palácio do Alvorada.

A proposta teve o texto-base aprovado na comissão especial na última quarta-feira (03), por 23 votos a 14, e ainda precisa ser apreciada em dois turnos por todos os deputados. Mas governo e interlocutores reconhecem que pode ser necessário um prazo de até três semanas para conseguir o apoio necessário no plenário.

“O governo está se articulando para fazer trabalho intenso de divulgação para que todos saibam o que está sendo proposto”, disse Imbassahy, que disse ter expectativas favoráveis em relação à votação do texto. “Tenho a mais absoluta certeza que ele será aprovado, não tenho a menor dúvida”.

O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), também participou da reunião e disse perceber uma “mudança considerável no sentimento da Casa” após as alterações feitas no texto. Segundo ele, grande parte das modificações no relatório beneficiaram a parcela mais vulnerável da população.

Oliveira Maia disse ainda que o plenário é soberano em relação à votação de destaques, sugestões de mudanças no texto-base apreciadas separadamente. Na última quarta-feira, houve acordo da base com a oposição para que seja votado em plenário um destaque para incluir os agentes penitenciários na regra que permite aposentadoria com idade mínima de 55 anos. A regra geral prevê 65 anos para homens e 62 anos para mulheres.

Estado de S.Paulo

Leia também: