Destaques Notícias Pernambuco Petrolina

Polícia apresenta retrato falado de suspeito do Caso Beatriz em Recife

Compartilhe:

 

Delegado disse que retrato falado foi concluído na capital de PE.
Caso aconteceu em Petrolina em dezembro de 2015.

Amanda Franco Do G1 Petrolina

Está agendada para às 9h30 da segunda-feira (22) no auditório do prédio operacional da Polícia Civil de Recife, capital pernambucana, a apresentação do retrato falado do suspeito de ter assassinado a garota Beatriz Angélica Mota, de 7 anos. O crime aconteceu em Petrolina, no Sertão do estado, no dia 10 de dezembro de 2015 e até o momento nenhum detalhe tinha sido divulgado.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Marceone Ferreira Jacinto, o retrato falado foi concluído na capital do estado e, por isso, decidiu-se divulgar a novidade sobre a investigação primeiro em Recife. “Estou em Recife e a assessoria resolveu divulgar logo aqui. Eu cuido da investigação”, disse o delegado Marceone.

Delegado Seccional, Marceone Ferreira foi designado para solucionar o Caso Beatriz (Foto: Taisa Alencar / G1)Delegado Marceone Jacinto foi designado para solucionar o Caso Beatriz (Foto: Taisa Alencar / G1)

O delegado afirmou ainda que, quando retornar à Petrolina, irá reuni-se com a imprensa para tratar sobre detalhes do caso, mas ainda não divulgou a data. Desde a morte de Beatriz já se passaram cerca de 70 dias e nenhuma informação sobre o inquérito tinha sido divulgada.

A garota Beatriz Angélica foi assassinada com golpes de faca durante a solenidade de formatura do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, no Centro da cidade. Na data, a irmã da garota estava entre os formandos. O pai de Beatriz Angélica, Sandro Romildo, é professor da unidade de ensino e também participava da cerimônia. A garota estava com a mãe, que percebeu o desaparecimento da garota em poucos instantes.
A menina foi encontrada em um depósito de material esportivo que estava desativado. Ela tinha ferimentos no tórax, membros superiores e inferiores. A faca usada no crime, do tipo peixeira, foi encontrada cravada na região do abdômen da criança.

Leia também: