Compartilhe:
imagem
Futuro ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o senador Armando Monteiro (PTB) afirmou que as denúncias de corrupção na Petrobras oferecem a oportunidade de se fazer um “saneamento de poder”.
“Isso pode parecer uma repetição que as crises oferecem, às vezes, oportunidades. O fato de você ter agora uma perspectiva de que uma parcela importante da classe política possa ser alcançada com essas denúncias, nós vamos ter a oportunidade de fazer um saneamento de poder”, disse o parlamentar em entrevista à Folha de Pernambuco.
As investigações da Polícia Federal (PF) e da Justiça Federal paranaense apontaram uma movimentação de R$ 10 bilhões no esquema envolvendo empreiteiras, políticos e a Petrobras. Estão presos tanto o doleiro Alberto Youssef, apontado como líder do esquema, como o ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa.
Nesta sétima fase da operação, que teve início no mês passado, a PF e a Justiça focaram suas atuações em executivos e funcionários de nove grandes empreiteiras que mantêm contratos com a Petrobras em um valor total de R$ 59 bilhões. Ao todo, 39 executivos são réus.
Para Armando, “o sistema político precisa de reformas, para evitar que essa corrupção, que se associa em certa medida ao financiamento eleitoral” e destacou a necessidade de fortalecer as instituições.
Questionado sobre o cargo que assumirá, a partir de 2015, o parlamentar disse que tem uma “missão desafiadora e ao mesmo tempo honrosa”. “É um ministério que tem um papel importante e a responsabilidade de, em meio a essa conjuntura que será de restrições, no primeiro momento, porque a economia vai sofrer ajustes, criar condições para retomar o crescimento econômico”, afirmou.
Segundo o petebista, é preciso “apresentar uma agenda positiva”. “Já temos desenhado alguns: Por exemplo: o ministério cuida de todo o comércio exterior. No âmbito da América Latina, o Brasil tem vantagens porque o MERCOSUL lhe dá algumas lhe dá algumas vantagens tarifárias, redução de tarifas, acordos de tarifas externas comuns. Então, existem nichos, várias oportunidades para que a indústria brasileira se coloque e amplie a sua presença”, acrescentou. (Pernambuco 247)

Terça-Feira, 30 de Dezembro de 2014 – Postado por Elismar Rodrigues

Leia também: