Brasil Destaques Economia

Governo vai devolver R$ 1,1 bilhão a consumidores

Compartilhe:

O governo devolverá ao consumidor um valor que recebeu a mais para compensar a queda de arrecadação que Estados da Região Norte teriam com novos investimentos em energia. O dinheiro foi mantido ilegalmente pela União por três anos e só será devolvido após cinco ofícios enviados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e depois de publicação de reportagem do ‘Estadão/Broadcast’ sobre o assunto.

Ao todo, R$ 1,13 bilhão, em valores atualizados, será devolvido a partir do ano que vem. Se fosse ressarcido de uma só vez, o consumidor teria uma redução de 0,8% na conta de luz. Mas a devolução será feita em quatro parcelas iguais, em 2018, 2019, 2020 e 2021 – serão R$ 282,5 milhões por ano.

A proposta está em ofício enviado pelo secretário executivo do Ministério do Planejamento, Edvaldo Risso, ao diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino. Foi Rufino quem cobrou do governo a devolução dos recursos. O plano será incluído na previsão orçamentária do Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa) dos próximos anos.

Em ofício enviado em abril, o quinto desde 2014, revelado pelo Estadão/Broadcast, Rufino mencionou a arrecadação a mais, feita entre 2010 e 2012, realizada para compensar Estados que teriam prejuízo financeiro com a conclusão de obras de conexão ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

Apesar dos benefícios ao País e à população das regiões isoladas, haveria redução no uso de usinas termelétricas para suprir esses locais e, consequentemente, da arrecadação dos Estados da Região Norte com o ICMS incidente sobre combustíveis fósseis.

Uma lei de 2009 estabeleceu a cobrança extra, na tarifa de todos os consumidores do País, para compensar esses Estados pela perda arrecadatória. Entre 2010 e 2012, o governo arrecadou R$ 747,8 milhões.

Desse valor, o Estado de Rondônia foi ressarcido com o recebimento de R$ 51,3 milhões. Foi o único Estado que foi interligado nesse período. Sobraram R$ 689 milhões, que ficaram no caixa do Tesouro, que, hoje, atualizados, atingem R$ 1,13 bilhão.

A mesma lei também estabeleceu que eventuais saldos positivos decorrentes dessa arrecadação em 1.º de janeiro de 2014 deveriam ser devolvidos. Nos últimos três anos, porém, isso não aconteceu.

Estadão

Confira também…

*Campus Ouricuri realiza VII Semana de Química e Meio Ambient

*Acidente entre dois carros deixa feridos na BR-316 em Ouricuri

*Prefeitura de Salgueiro divulga resultado final de processo seletivo da Secretaria de Educação

*Cultivo do umbuzeiro é resgatado através de projeto do IF Sertão de Ouricuri

*Assinada licitação para aeroporto de Caruaru

*Desemprego tem 1ª queda desde de 2014; 13,5 milhões não têm trabalho

*Cenário da barragem de Sobradinho está cada vez mais preocupante Por

*Criminosos fazem reféns e explodem agência bancária no interior de Pernambuco

*Câmara reinicia sessões dia 1º e pode votar denúncia contra Temer

*Cientista político diz que Paulo Câmara pode repetir Geraldo Julio e eleger-se culpando a crise

* Temer é aconselhado a proibir divulgação de estimativas de apoio para barrar denúncia

*Blogueiro de Ouricuri questiona sobre precatórios do Fundef e FNDE responde, confira

*Confira a situação do processo Fundef/Fundeb de Ouricuri-PE

*No Brasil de Temer, quem é honesto se sente um mané

*Ministros pernambucanos voltarão à câmara federal para barrar denúncia contra Temer

*Estão abertas as inscrições para o FIES 2017

*Inscrições para cursos do PROEJA estão abertas em Petrolina, Salgueiro e Ouricuri, PE

*Tribunal derruba decisão de juiz que proibiu e libera reajuste de combustíveis

*Agricultores do Nordeste podem renegociar dívidas contraídas até 2016

Saúde oferecerá novo tratamento contra hepatite C

*Servidores municipais de Araripina protestam em frente a prefeitura

*Empresários pernambucanos são presos em nova fase da Lava Jato

 

Leia também: